Implementado na Turma 103, o Novo Currículo é resultado do aprimoramento do curso médico na graduação da FMUSP. A Reforma Curricular buscou corrigir os pontos deficientes da formação médica e aprimorar os pontos positivos.

Embasado na Consultoria realizada por grandes escolas médicas do mundo, como a Brown University e a Universidade de Toronto, além do National Board of Medical Examiners (NBME), um conjunto de alterações foi proposto para que o Novo Currículo inserisse na Faculdade o Ensino Baseado em Competências. Nesta modalidade de ensino, mais atualizada que o  PBL – Problem Based Learning – e consagrada nas grandes universidades, o curso médico passa a ter como objetivo criar determinadas habilidades nos alunos, que são claramente estabelecidas desde o início da graduação.

A Faculdade de Medicina, desta forma, estabeleceu que ao final do curso médico os seus alunos devem possuir as seguintes competências:

  • Fazer análise crítica e busca ativa do conhecimento;
  • Comunicar-se efetivamente com pacientes, comunidade e equipes de saúde;
  • Reconhecer seu papel social como médico no sistema de saúde;
  • Realizar e aplicar adequadamente estratégias de prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação;
  • Trabalhar de forma colaborativa em equipes multiprofissionais;
  • Integrar e analisar os princípios básicos do conhecimento médico no contexto da atenção à saúde;
  • Gerar/produzir conhecimento;
  • Ter uma visão crítica de sua prática médica;
  • Atuar como líder e educador em sua área;
  • Demonstrar profissionalismo, ética e capacidade de decisão

Para que essas competências passem a compor a formação do corpo discente, foi necessário realizar mudanças estruturais na grade horária, na forma das aulas, na organização das disciplinas, que passaram a atuar de forma integrada, compondo as Unidades Curriculares. As linhas geais dessas reformas estão citadas abaixo:

  • Redução da carga horária em aproximadamente 30%, permitindo aos alunos tempo livre para atividades extracurriculares, iniciação científica, extensão, esportes etc;
  • Divisão por Unidades Curriculares, facilitando a integração entre Departamentos e conteúdos;
  • Introdução do “mini-college”, período no início do curso que servirá de transição para o aluno entre o Ensino Médio e o Ensino Superior;
  • Processo de Avaliação permanente com exames internos semestrais e bianuais para acompanhamento do nível dos alunos e do Ensino, com avaliação internacional periódica do programa de Graduação em Medicina pelo International Fundations of Medicine (IFOM). Esta avaliação é embasada nos principais tópicos elaborados pelo NBME (National Board of Medical Examiners) para o USMLE, exame necessário para obter a licença para o exercício da Medicina no território americano e vem sendo aplicada na FMUSP desde 2012;
  • Maior internacionalização da Faculdade com o oferecimento de estágios de curta duração para alunos estrangeiros e estabelecimento de convênios e oferecimento de bolsas para que 25% dos alunos de Graduação em Medicina possam fazer estágios e cursar disciplinas no exterior.

Como pode ser observado, o Novo Currículo traz uma nova visão no que tange o ensino médico, atualizando a graduação com os mais reconhecidos preceitos de ensino vigentes nas grandes universidades do mundo. Com essas mudanças, a Faculdade de Medicina da USP busca manter seu papel de liderança nacional e se projetar como referência internacional em ensino e assistência.